Protocolo do Nascer no Brasil II: Pesquisa Nacional sobre Aborto, Parto e Nascimento

Conteúdo do artigo principal

Maria do Carmo Leal
Ana Paula Esteves-Pereira
Sonia Azevedo Bittencourt
Rosa Maria Soares Madeira Domingues
Mariza Miranda Theme Filha
Tatiana Henriques Leite
Barbara Vasques da Silva Ayres
Márcia Leonardi Baldisserotto
Marcos Nakamura-Pereira
Maria Elisabeth Lopes Moreira
Maria Auxiliadora de Souza Mendes Gomes
Marcos Augusto Bastos Dias
Maira Libertad Soligo Takemoto
Rodolfo de Carvalho Pacagnella
Silvana Granado Nogueira da Gama

Resumo:

Com o passar do tempo, o Brasil vem apresentando avanços na assistência obstétrica em hospitais públicos e privados; no entanto, ainda existem pontos frágeis que necessitam de atenção. O Ministério da Saúde, ciente dessa necessidade, financiou a segunda versão da pesquisa Nascer no Brasil. Os objetivos gerais são: avaliar a assistência pré-natal, ao parto e nascimento, ao puerpério e ao aborto, comparando com os resultados do Nascer no Brasil I, e analisar os principais determinantes da morbimortalidade perinatal; avaliar a estrutura e processos assistenciais dos serviços de obstetrícia e neonatologia das maternidades; analisar os conhecimentos, atitudes e práticas de profissionais de saúde que prestam assistência ao parto e ao aborto; e identificar as principais barreiras e facilitadores para essa assistência no país. Com escopo nacional e amostra probabilística em dois estágios (1-hospitais e 2-mulheres), dividida em 59 estratos, foram selecionados 465 hospitais com total planejado de, aproximadamente, 24.255 mulheres, 2.205 por motivo de aborto e 22.050 por motivo de parto. A coleta de dados, realizada por meio de seis instrumentos eletrônicos, ocorre durante a internação hospitalar para o parto ou aborto, com duas ondas de seguimento, aos dois e quatro meses. Com o intuito de expandir o número de casos de morbidade materna grave, mortalidade materna e perinatal, três estudos caso controle foram incorporados ao Nascer no Brasil II. O trabalho de campo foi iniciado em novembro de 2021 com término previsto para 2023. Os resultados permitirão comparar a atenção atual ao parto e ao nascimento com a retratada no primeiro inquérito e, com isso, avaliar os avanços alcançados no decorrer desses 10 anos.

Detalhes do artigo

Palavras-chave:
Protocolos; Inquéritos Epidemiológicos; Parto; Assistência Perinatal