Atividade física no lazer entre idosos no Brasil: análise de séries temporais de um inquérito de base populacional (2009-2020)

Conteúdo do artigo principal

Marcela Mello Soares
Thais Cristina Marquezine Caldeira
Taciana Maia de Sousa
Leandro Fórnias Machado de Rezende
Rafael Moreira Claro

Resumo:

A prática de atividade física no lazer traz diversos benefícios à saúde, como a prevenção de doenças não transmissíveis. Investigar a tendência temporal da prática de atividade física em idosos de acordo com características sociodemográficas e regiões geográficas pode ser importante para formular políticas públicas de saúde e intervenções efetivas. Este é um estudo de série temporal para analisar a tendência temporal de idosos brasileiros à prática de atividade física no lazer entre 2009 e 2020. Uma amostra de 186.097 idosos (≥ 60 anos) foi obtida do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) (2009-2020). Foram coletadas informações sobre prática de atividade física no lazer e características sociodemográficas e de saúde. A regressão de Prais-Winsten foi utilizada para identificar tendências significativas na variação anual dos indicadores de prática de atividade física no lazer. A prática de atividades físicas moderadas por ≥ 150 minutos/semana variou de 23,3% a 27,5% (0,41p.p./ano) (2009-2020) com maior aumento em 2015-2020 (0,59p.p./ano). O aumento mais recente ocorreu entre homens, indivíduos entre 60 e 69 anos de idade, aqueles com menor escolaridade, residentes na Região Nordeste e sem doença crônica autorreferida. Esses resultados podem contribuir para a avaliação das políticas de saúde brasileiras voltadas à prática de atividade física no lazer em idosos.

Detalhes do artigo

Palavras-chave:
Envelhecimento; Atividade Física; Doença Crônica