Como as heurísticas e os vieses cognitivos afetam as decisões sobre vacinação

Conteúdo do artigo principal

Paula Mendes Luz
Paulo Nadanovsky
Julie Leask

Resumo:

A imunização, a intervenção da saúde pública mais bem sucedida até hoje, só pode ser eficaz se as pessoas elegíveis ou seus representantes legais tiverem acesso às vacinas e aderirem ao seu uso. A subvacinação pode resultar de várias causas: acesso, viabilidade, conscientização, aceitação e ativação. Neste trabalho, focamos na aceitação e, especificamente, nos concentramos nos fatores relativos à cooperação do indivíduo ou de seus pais, especificamente a psicologia do julgamento e da tomada de decisões. Descrevemos como as heurísticas e os vieses cognitivos - um aspecto dos pensamentos e sentimentos - afetam a tomada de decisão quanto à vacinação. Além disso, abordamos quando e como os processos sociais desempenham um papel e como as atitudes em relação às vacinas podem refletir uma atitude ou ideologia subjacente mais geral. A compreensão de como a tomada de decisões em relação às vacinas ocorre e o papel desempenhado pelas heurísticas e pelos vieses cognitivos pode ajudar a informar as intervenções de saúde pública de forma mais adequada.

Detalhes do artigo

Palavras-chave:
Vacinação; Cognição; Heurística